Categorias
Uncategorized

HIGIENIZAÇÃO DE ÁREAS COMUNS PRECISA SER REFORÇADA

Habitualmente, todo condomínio já mantém uma rotina de cuidados com a limpeza de suas áreas comuns, mas é fato que em tempos de pandemia como a que ora estamos atravessando, ela deve obedecer a critérios ainda mais rigorosos.

Reconhecendo a seriedade que o contexto atual impõe, o síndico precisa orientar e fiscalizar seus funcionários no que tange às medidas preventivas de higienização.

Em primeiro plano, para se formular uma estratégia de prevençäo é preciso ter em mente algumas hformaçöes prévias: O novo Coronavírus, o qual dá origem à Covid-19, doença que está acometendo pessoas em larga escala em todo o mundo, é um vírus de altíssima transmissibilidade, o que exige, portanto, o isolamento social; a transmissão se dá, principalmente, por gotículas expelidas pelas Vias aéreas de indivíduos contaminados, as quais podem ficar não apenas suspensas no ar, mas também impregnadas na pele (especialmente das mãos).

Sabendo disso, então, podemos estabelecer alvos prioritários: é preciso focar na higienização de locais que sejam frequentemente tocados pelas mãos, tais como: maçanetas, corrimãos, balcões, interruptores, botões de acionamento de elevadores, leitores de biometria digital ou outro que exija contato, torneiras e válvulas de descarga de sanitários, dentro de banheiros.

Um estudo publicado pela revista científica “New Endand Journal of Medicine” demonstrou a durabilidade de sobrevivência do Coronavírus em diferentes superfícies: aço inoxidável 72 horas; plástico 72 horas; papelão 24 horas; cobre 4 horas; aerossolizada/poeiras 40 minutos a 2 horas 30 minutos. Essas informações reforçam, portanto, a necessidade de empreender uma higienização recorrente dos principais locais.

Como limpar? O que “mata” o vírus? Essa é a pergunta que muita gente se questiona e é também o que levou muitas pessoas a fazerem estoque de álcool gel e álcool liquido a 70% (esse deve ser priorizado para higienização das mãos).
Entretanto, é válido lembrar que essa não é a única opção para desinfetar superfícies. A boa e velha água sanitária, um produto de baixo custo e fácil acesso, bastante utilizado em limpeza doméstica, pode ser utilizado na manutenção do condomínio. O CFQ (Conselho Federal de Química) recomenda diluir 25 ml do produto em um litro d’água. Concentrações mais elevadas de água sanitária exigem luvas.

Mais importante que o tipo específico de produto (o qual pode ser a citada água sanitária, desinfetantes, sabão, detergentes, sanitizantes especiais) é a regularidade da limpeza, uma vez que devem ser observados os prazos de sobrevivência do vírus nas superfícies, já mencionados. Assim, a frequência da limpeza deve aumentar, priorizando os locais maior fluxo de pessoas, especialmente o caminho que o indivíduo faz desde a entrada até os elevadores.

É válido reforçar que, durante a pandemia, todos os espaços de uso comum devem ser fechados para evitar aglomerações, porém os ambientes que fique uma ou mais pessoas deve estar sempre bem ventilado, nada de ar condicionado e janelas fechadas.